Podia ter pensado: “Porquê publicar opiniões sobre os meus álbuns favoritos? Será que alguém se interessa?”. Preferi pensar: “Porque não publicar opiniões sobre os meus álbuns favoritos? Pode ser que alguém se interesse…”

E assim decidi começar com “a” Regina.

Esta menina de 25 anos não engana. Os traços típicos de leste europeu e a boina CCCP não enganam. Nasceu em Moscovo mas foi criada em N.Y.. As aulas de piano não foram desaproveitadas, e junte-se a isso uma voz capaz de deixar qualquer um pregado ao chão e já se tem os ingredientes necessários a um grande álbum.

Agora juntem uma pitada de irreverência nas letras, um estilo “anti-folk” bem típico do “underground” nova yorkino e a simplicidade incrível com que este “Soviet Kitsch” foi “construído“.

E temos aqui um álbum que já atingiu uma audiência muito maior do que a planeada.

O súbito sucesso de Regina Spektor não nasce por acaso. Não é daquelas cantoras de um álbum só. Já as suas produções anteriores não deixavam enganar… “11:11” e “Songs” são discos anteriores, para apreciadores apenas, mas saltava à vista (ou direi, ao ouvido?) que estava ali algo de fantástico.

Com uma voz inconfundível, um piano fantástico, os traços de leste e o cabelo ruivo é impossível ouvir o álbum e não ficar imediatamente fã de Regina Spektor… Os “The Strokes” também já se renderam. São várias as participações de Regina nas digressões da banda do vocalista Julian Casablancas e já circulam nos mais comuns programas de p2p alguns singles conjuntos.

E para os mais curiosos em relação à sonoridade, deixo aqui aquela que é, no meu entender, a melhor música do álbum “Soviet Kitsch“:

Ghost of Corporate Future(na página do rapidshare, escolher a opção free (a parte inferior da página), esperar os segundos indicados e clicar no link que finalmente aparecer.)


Não tirem da net… comprem. Eu vou fazer o mesmo com este álbum.

Comment ( 1 )

  1. ReplyRafael Moura
    Cara, infelismente não pude seguir teu conselho, tive que baixar da net. Pra falar a verdade, descobri essa pérola mais que tardiamente. Havia baixado esse cd, em conjunto do o que se segue da mesma cantora, a mais ou menos 5 meses, mas nunca tinha posto pra tocar. Qual não foi minha surpresa quando resolvi dar uma "chance" ao cd que estava aqui "ocupando espaço" no meu HD!

    O disco é realmente muito bom, especialmente pela simplicidade, voz e piano. A minha música preferida (que por sinal, ouço enquanto digito essas palavras) é a The Flowers. Não sei por que, mas essa música mexe comigo!

    E tenha certeza: cedo ou tarde, alguém se enteressa!