Nem há um ano se juntaram em N.Y. e já têm lugar marcado em Paredes de Coura a meio de Agosto (lá estarei salvo qualquer imprevisto). Os The Bravery são uma banda recente, com um álbum que está a surpreender meio mundo (e a mim também), porque é daqueles álbuns que “cresce” quanto mais o ouvimos.
O primeiro single foi “Honest Mistake“. Julgava estar a ouvir a voz do Julian Casablancas, mas não. Julgava estar a reconhecer a sonoridade dos The Killers, mas não. Julgava estar a ouvir letras dos Franz Ferdinand, mas não. Julguei ter ouvido os acordes da Blue Monday dos incríveis New Order, mas não. Os The Bravery são originais mesmo juntando peças dum puzzle que se tem revelado gigantesco que é esta onda the Indie Rock recente e que vai buscar influências ao Pop/Rock/Electro da década da música intemporal (maravilhosos anos de New Order, Depeche Mod, Joy Division, Duran Duran, etc…).
Mas com tanta mistura de estilos/influências, como defenir os The Bravery? Eu alinho na resposta da Rolling Stone: New Wave.

O single já o devem reconhecer (está agora a começar a rolar nalgumas rádios… naquelas onde ainda se ouve música…. Voxx, anyone?), por isso deixo-vos com a Swollen Summer. E depois de escrever isto ao som da música que vos deixo, sigo novamente o conselho da Rolling Stone e vou ouvir Love and Rockets ou Flesh for Lulu para tentar adormecer com este calor insuportável.

There are currently no comments.