Parece confirmar-se o cenário de que Cavaco será eleito já hoje como Presidente da República Portuguesa.

O povo é soberano, o povo decide. O povo quer o pai dos novos ricos. O povo quer o homem que autorizou a carga policial na Marinha Grande. O povo quer o homem que autorizou a carga policial sobre a ponte 25 de Abril. O povo quer o homem que autorizou a carga policial sobre os estudantes em protesto em frente à assembleia da república. O povo quer o homem que caracterizou 10 anos de Portugal de uma forma que ficou conhecida como “Cavaquismo” em alusão a uma ditadura. O povo quer o homem dos tabús. O povo quer o homem que deixou o seu próprio partido afundado numa lama que ele próprio fez questão de deixar bem espessa ao apoiar Fernando Nogueira como seu sucessor. O povo quer. O povo terá. Respeito o povo, mas não concordo com ele.

E acusem-me de mau perder, de arrogância, do que quiserem. É a minha opinião, e ao contrário dos anos de cavaquismo em que quem se manifestava se arriscava a levar com polícia de choque em cima, eu demonstro-a como bem entender. Foi para isso que Alegres, Sampaios, Cunhais e outros lutaram durante anos, sendo torturados em prisões da PIDE e obrigados a viver em exílios. Foi para isso que cantaram os Zecas Afonsos. Foi para isso que serviram os cravos na ponta da arma. Para que hoje eu possa dizer o que digo.

Critico o povo. Critico-o por ter memória curta. Critico-o por não saber que o cargo de Presidente da República é, antes de mais, um cargo de diplomata. E Cavaco não o é. E não o digo por ele fazer figuras como a que fez para as câmaras a comer o bolo-rei de boca aberta e tentar balbuciar algo impercetível. Digo-o porque Cavaco não é um diplomata. Cavaco não tem perfil de presidente da república. Cavaco tem perfil de primeiro-ministro, não o nego. Sempre teve. De primeiro-ministro autoritário, sem dúvida, mas de primeiro-ministro.

Agradeço ao povo por me lembrar que não quero, e não vou, passar o meu futuro num país onde o povo, que é quem mais ordena, escolhe com maioria um presidente que dê pelo nome de Cavaco Silva.

Citando Manuel Alegre: “Há sempre alguém que resiste, há sempre quem diga não.”

Comments ( 10 )

  1. ReplyRita
    Tal como tu, também eu estou desiludida com a decisão do povo português. Temia que isto pudesse acontecer. E aconteceu. Mas já não crio ilusões com este país...infelizmente. As pessoas agem com uma passividade que me assusta. E a política não é excepção. Não é memória curta. É desinteresse.
  2. ReplyAsuka
    espero que morra derivado a uma bendeirola de comemoração se espetar no olho \o
  3. ReplyPaulo
    Lol, ta,bém não fazes a coisa por menos... :D
  4. ReplyMaster Minder
    Só tenho pena de não ter emigrado a tempo...
  5. ReplyClaudinha
    Posso entrar???
    Concordo totalmente contigo!
    Escrevo este coment com lagrimas nos olhos por ver tal desinteresse e esquecimento da nossa sociedade.
    Ao ver as imagens de felicidade do povo na tv fico imovel, sem reacção porque eu não esqueci!
    Ainda me lembro da nossa pseudo ditadura. Ainda me lembro das repercussões que teve na nossa sociedade.
    E, por isso, pergunto-me como é possivel que o povo já se tenha esquecido desses momentos de crise?Em que o nosso Portugal estava a afundar-se??
    Não peço que todos acreditem nas minhas ideologias só peço um pouco de memória e inteligência para o nosso povo.
    Magoa-me muito ver a nossa situação. Uma crise economica, politica e social.
    Depois de tantos anos a viver numa ditadura - que, se pensarmos bem, não está assim tão longe - voltamos a eleger um pseudo ditador com um sorriso maléfico e que tenta retirar as nossas esperanças de construir um mundo melhor para nós.
    Mas eu, como tu e tantos outros, digo que não!!
    Resisto contra esta mudança pérfida do nosso país.
  6. ReplyPaula
    Disseram-me ontem "o 25 de Abril acaba amanha". Agora entendo porque existiram cravos e porque hoje morreram. Contudo, se outros, em outros tempos, aguentaram mais de 40 anos de Salazarismo, nao posso, nem quero, desistir de acreditar que um dia isto irá mudar. "Há sempre alguem que resiste..."
  7. ReplyJCBarros
    Portugal S&M.
  8. ReplyPaulo
    S&M?
  9. ReplyJCBarros
    S&M...Sado-Maso.

    É o nosso Portugal: metado sádico, metade masoquista. Ou então sofre da Síndrome de Estocolmo. Das duas uma, mas tem de haver uma explicação para o facto.
  10. ReplyPaulo
    Ah, sim sim... tens razão.
    Sabes o que eu acho piada? Quer antes, quer depois das eleições os que votaram cavaco só me deram duas razões para votar nele:

    1- "Porque sim. E não discuto mais isso."
    Como não discuto com idiotas porque sei que me arrastariam ao nível deles e me ganhariam em experiência, também me parece bem que a conversa tenha parado nessa altura.

    2- "Porque o Cavaco foi um bom primeiro-ministro e pode meter isto na linha (ou ajudar)."
    Eu devia soltar uma bela gargalhada, mas não consigo. Se são pessoas que viveram o cavaquismo com os seus 7 ou 8 anos de vida, ainda sou capaz de abrir uma excepção e simplesmente ignorar o que me dizem, mas... 50.6% da população não tem decerto 20 anos... Tem que haver gente que tenha passado pela altura em que levantar a voz para protestar era sinónimo de levar com polícia de choque em cima... tem que haver gente que tenha passado pela fase em que viam nascer as parabólicas e os Jipes à porta das barracas... tem que haver gente que se lembre do que foi viver nos tempos em que quem enchia as notícias eram os Dias Loureiros e Fernandos Nogueiras...
    E era a esses que eu gostava de perguntar: "Mas tu já és estúpido, ou simplesmente estás a tentar lá chegar por desporto?"