Uncategorized

Robin Williams vs Pablo Francisco

Se alguém for lendo os comentários aqui da tasca decerto tem reparado que inúmeras vezes já foi referido o espectáculo do Robin Williams na broadway. Um espectáculo de stand up comedy como é suposto eles serem feitos.
Alguns amigos meus já ficaram chateados comigo quando, em certas alturas, os ouvia a comentar uma ou outra piada que tinham visto/ouvido no “Levanta-te e ri” e eu os criticava por eles me dizerem que aquilo era stand up comedy. Lamento, não era (ou “não é”… não faço ideia se aquilo ainda dá)… Aquilo era sucessões de gajos sem a mínima piada (ainda vai nascer a pessoa que me explique onde está a piada desse grande sucesso da tv portuguesa que é o Bruno Nogueira) que se limitavam a debitar graçolas em série, muitas delas (para não dizer 99,9%) já mais antigas que a Sé de Braga.

Conseguir ver mais do que 5 minutos daquilo era um feito para mim. E se alguma vez os vi… lamento.

Mas, verdade seja dita, eu estou mal habituado. O primeiro espectáculo de stand up que presenciei ao vivo foi simplesmente de um dos tipos mais talentosos de Portugal… vi no teatro do Campo Alegre um espectáculo do Pedro Tochas. Mais de duas horas em que o homem não parou de interagir com o público e de fazer improvisos, num espectáculo (ou numa peça, se preferirem) a que chamou “Lado B” e onde, supostamente, ele usava textos que não cabiam nas suas peças normais… Mas esses textos foram-se acumulando com o tempo até chegar ao ponto em que uma compilação deles deu para um par de horas ininterrupto. Simplesmente excelente. Obviamente que ele sempre recusou ir ao Levanta-te e ri… em compensação foi só eleito o melhor palhaço de rua do mundo com o seu número do Palhaço Escultor.

E em vídeo/dvd/mp3 também estou mal habituado… já vi (e ouvi) uns quantos espectáculos (é fácil arranjar mp3 de espectáculos completos no eMule), sendo que os nomes de George Carlin e Richard Pryor (recentemente falecido) são tidos como “os monstros sagrados” para quem faz do stand up a arte de eleição, mas dos mais recentes existem dois que considero soberbos no que fazem:
Robin Williams e Pablo Francisco. Robin Williams é mesmo o meu favorito.

E deixo-vos com um excerto de cada um… no primeiro, Robin Williams explica o nascimento do golf, numa imitação de um escocês. No segundo, Pablo Francisco faz uma quantidade de vozes e sons fenomenal num espaço de 3 a 4 minutos.

Vale a pena ver, acreditem.


(sim, é preciso clicar nas imagens para abrir os vídeos… colocar-se de joelhos em frente ao monitor a orar a deus nosso senhor enquanto lhe pede que os vídeos abram milagrosamente só com a força da mente não é, ainda, método infalível.)

9 thoughts on “Robin Williams vs Pablo Francisco”

  1. Então eu cito outro gajo que comentou no mesmo post onde eu disse isso:

    ” .|. “

    Aquelas devem ter sido as melhores emissões de sempre do Levanta-te e ri. A sério que sim! Pena é que eu não me lembre de nada. :| Só me lembro que até com os batanetes eu me ria… Bendita Feira Medieval, pães com chouriço e cerveja do LeClerc!

  2. Então eu cito outro gajo que comentou no mesmo post onde eu disse isso:

    ” .|. “

    Aquelas devem ter sido as melhores emissões de sempre do Levanta-te e ri. A sério que sim! Pena é que eu não me lembre de nada. :| Só me lembro que até com os batanetes eu me ria… Bendita Feira Medieval, pães com chouriço e cerveja do LeClerc!

  3. lol, mas isso tem explicação…

    Hah, belas noites de Serranos, Jornal da noite da TVI, Levanta-te e ri, pão com chouriço, croissants com fiambre, experiências com a aranha mutante na porta e na lareira, mais pão com chouriço, Baywatch, Walker (e outras pérolas que agora me escapam :P )… e se não aterrasse no sofá, ainda dava para ver a tvshop :D

Deixe uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.