Sim, o título exprime bem aquilo que penso acerca do cancelamento da ópera Idomeneo pela Orquestra de Berlim devido ao receio de represálias que possam advir da representação em palco de uma cena em que o Rei Idomeneo carrega consigo as cabeças de Cristo, Maomé, Neptuno e Buda.
Segundo os organizadores, devido à recente onda de violência terrorista e aos acontecimentos que todos conhecemos causados pelo discurso do Papa há umas semanas, o melhor seria cancelar o espectáculo.
Mas, esperem lá… a ópera já não existe neste formato desde 1781? Até à data, alguma vez surgiram problemas, ameaças, tiroteios, explosões, cabeças a rolar, cenários apocalípticos? Não.
Então porquê agora esta decisão?
Auto-censura? Mas… mas… foda-se! Isso não é um bocado estúpido? Não é quase como dizer aos radicais: “A vossa táctica funciona connosco.” ?

E depois outro ponto:
Quem raio é que se poderia sentir insultado?
Os Cristãos? Não me parece… são os que até costumam ver essa mesma ópera.
Os Budistas? Os Islâmicos? Os “Neptunianos”?
Pondo de parte os crentes em Neptuno, restam-nos as outras duas hipóteses. E tendo em conta que nunca vi bombas a rebentar atadas à cintura de Budistas, fico-me pela hipótese: “Vamos cancelar a ópera, senão os muçulmanos batem-nos.”.
E não, não caio no erro de generalizar… bem sei que 99% dos crentes em Maomé não são fundamentalistas/radicais. Mas o 1% que representa os outros, o 1% de radicais que matam freiras, ameaçam o Vaticano e Roma com bombas e queimam igrejas, é o cerne da questão aqui.

Desde a história dos cartoons no jornal dinamarquês que me repulsa a auto-censura desmesurada e o medo “à la EUA” que parece ter invadido a europa. Este último caso é do mais berrante que se consegue imaginar nos mais escuros recônditos da nossa massa cinzenta. Qualquer referência ao profeta Maomé é hoje: pensada; repensada; medida; pesada. Depois vai a escrutínio nacional. Por fim é analisada semanticamente por especialistas que procuram em cada palavra um possível segundo sentido que lhe possa ser dado para que se dissipem de todas as maneiras qualquer conflito futuro.
E se, ainda assim, surgir um qualquer problema com o que foi dito/escrito/cantado/flatulado?
Não é para isso que servem/chegam os pedidos de desculpa?

E é aqui que entra a outra parte da cantiga:
A resposta à pergunta anterior é: Não… parece que para pelo menos 1% dos crentes em Maomé… não é.
E como resolve a questão esse tal 1% quando não desculpa? Simples: kabum ao ocidente!
E se me dizem que “temos de compreender todos as referências culturais/religiosas/sociais que levam alguns radicais a tomar essa opção, fazendo-nos aperceber que, para eles, o acto de matar alguém em nome de uma religião não é visto como algo atroz tal como o ocidente o vê”, então eu respondo com as sábias palavras que o Tio Hermínio da Tasca me disse em conversa de café há umas semanas: “Também há uns milhares largos de anos os homens das cavernas se matavam entre eles e praticavam canibalismo. Depois evoluíram e viram que sacrificar vidas humanas não era a solução.”.
Esta pequena frase contém bem mais sentido do que possa parecer à primeira vista. Será então que devemos fazer um esforço para compreender que “para eles o acto de matar alguém em nome de uma religião não é visto como algo atroz tal como o ocidente o vê“? Ou, por outro lado, devemos fazer-lhes ver que a ideologia que o seu fanatismo lhes impregna na alma é algo completamente inaceitável em pleno século XXI? Não estará na hora de, pura e simplesmente, evoluír?

E neste ponto em particular agrada-me (pelo menos isso) uma constatação simples: cada vez mais as religiões deixam de mandar nas massas. Ainda sobram alguns casos (óbvios), mas cada vez mais se vê um pensamento livre e tolerante, liberto de amarras religiosas a nível global. Só falta mesmo é perder o medo de dizer aos que ainda estão presos: isso está errado.
E é por isso que digo, alto e bom som, sem medo absolutamente nenhum que me bombardeiem o blog, e convicto de que a minha opinião é livre de ser publicada:

Estimo bem que as religiões se fodam!

Comments ( 18 )

  1. ReplyMr. Deluxe
    Não me parece que a solução seja tão simples quanto isso. Essa é a abordagem à EUA: "bomb the shit out of them", e o resultado é normalmente o contrário ao pretendido. Em vez de existirem criminosos, existem mártires e os que não eram violentos passam a ser. Depois o que se continua a fazer? kabum à mesma?

    Por outro lado a limitação da arte por medo de represálias é um passo de dezenas de anos atrás.

    Não tenho uma solução simples para o problema, mas uma coisa é certa: o Ocidente e o que se passa no Ocidente não pode continuar a ser influenciado pelo medo. A Arte e a liberdade de expressão é uma das bases fundamentais da nossa cultura.

    Bem, esta é uma questão que dá pano para mangas, apenas tenho mais a dizer que gostei do post, daí o:

    http://praiadepensar.blogspot.com/2006/09/foda-se-por-paulo-costa.html
  2. ReplyPaulo Costa
    Hmm, eu acho que me exprimi mal na parte do "kabum"... eu não queria dizer que devia ser o ocidente a usar o "kabum" como solução, mas que a solução apresentada pelo 1% de fanáticos religiosos perante qualquer factor que considerem ofensivo é que é "kabum".

    É melhor editar esse parágrafo para o tornar mais claro. :|


    Ah, e 'tás longe, mas 'tás atento ;)
  3. ReplyPaulo Costa
    Pronto, editei... realmente o português que usei naquela frase não foi o melhor (nem de longe nem de perto), mas assim acho que se torna mais facilmente compreensível o meu ponto de vista.
    Aliás, seria uma barbaridade (e incoerência) da minha parte criticar a violência dos fanáticos religiosos e contrapôr propondo o uso de medidas violentas... "fight the fire with fire" pode ser muito giro, mas não é o meu género. ;)
  4. ReplyJC
    se me dás licença, para esses 1% eu acrescento: Puta que vos pariu!!!
  5. ReplyTio Hermínio
    Não há muito a dizer, tens toda a razão no que dizes. É triste a Europa tambem começar a viver em função do fanatismo religioso de alguns terroristas.
  6. ReplyBarras
    era espetalos num pau!!!

    agora a sério, não podia estar mais de acordo com o teu post!!!
    mas que raio de mundo este em que vivemos...
  7. Replycatrapimba
    Concordo quando dizes que a Europa não pode estar a viver num medo permanente de ferir o mundo islâmico. É sem dúvida uma retrocesso para o mundo livre. No entanto, não concordo que a religião seja a causa para este mal. Há muito religião que proclama a paz e a tolerância, e não podemos generalizar para "as religiões que se fodam" quando quem se deviam ir foder são os homens que as interpretam mal.
  8. ReplyPaula
    No caso da Ópera de Berlim acabar por representar mesmo o Idomeneo e os mulçumanos se passarem da cabeça, pede-se desculpa a quem?? Quem pede? Mozart?
  9. ReplyAnonymous
    estou completamente de acordo com o post, e acho k a ultima frase exprime perfeitamente o meu pensamento.
  10. ReplyAnonymous
    "Estimo bem que as religiões se fodam!"

    Até á data ninguém religioso se manifestou!!!

    Que se passa?

    Não há religiosos?

    Não há religiosos a ler blogs?

    Não há religiosos a ler este blog?

    O autor deste blog não é levado a sério?

    Os religiosos portugueses não são fanaticos como o autor deste blog?

    O fanatismo cientifico não existe?

    O escrivão perdeu toda a credibilidade com as respostas que deu a quem o contestou?

    O prémio para quem acertar é fazer par com o autor desta coisa no transporte do andor de S. Sebastião!!
  11. ReplyPaulo Costa
    O facto de haver 9 comentários acima do teu, todos exprimindo uma opinião, não te chega?
    Ou nem reparaste neles?
    Ou a ânsia de voltar cá, (já não vinhas há uns dias) simplesmente para criticar sem sequer pensar que o sentido do teu comentário se perde no momento em que carregas no "publicar", era tanta que nem consegues atingir algo tão simples?

    lol, é tão fácil brincar assim...

    E o Sebastião já voltou. Chama-se Mourinho. Andas desactualizado.
  12. ReplyAnonymous
    9 comentários ou, quase só, os amiguinhos do costume?
  13. ReplyManinho
    Estimo bem que, os Freamundenses, os adeptos de futebol, os fans do Kankkunen, os teus amigos que escrevem aqui( a Paula fode-se comigo), os futuros astronomos (que parecem mais atrologos), os tasqueiros, os fans do Leonel Nunes, do Pinto da Costa se fodam!
  14. ReplyManinho
    Estimo bem que, os Freamundenses, os adeptos de futebol, os fans do Kankkunen, os teus amigos que escrevem aqui( a Paula fode-se comigo), os futuros astronomos (que parecem mais atrologos), os tasqueiros, os fans do Leonel Nunes, do Pinto da Costa se fodam!
  15. ReplyPaula
    Ó catraio, e os tais a quem chamas "amiguinhos do costume" (e eu nao sou "amiguinha" de ninguém) não têm direito a opinião?
  16. ReplyManinho
    Estimo bem que, os Freamundenses, os adeptos de futebol, os fans do Kankkunen, os teus amigos que escrevem aqui, os futuros astronomos (que parecem mais atrologos), os tasqueiros, os fans do Leonel Nunes, do Pinto da Costa se fodam!

    Tens razão Paula não mereces o desrespeito!
    Retiro o que disse!
    Fui indelicado (no minimo) sem motivo. Aceita o meu pedido de desculpas!
  17. ReplyPaulo Costa
    Maninho, se queres que eu me foda, tudo bem, tanto me faz.
    Agora meteres os Freamundenses, fãs do Kankkunen, fans do Leonel Nunes, tasqueiros, futuros astrónomos que parecem mais astrólogos, etc, ao barulho é que é de mau gosto e indelicadeza.
    Que eu saiba não foram eles que postaram uma opinião diferente da tua.
  18. ReplyDirceu
    O que se está a passar aqui vai um pouco de encontro com teu post Paulo, bastou uma frase polémica para vocês pessoas de 1º mundo com cultura andarem á estalala virtual. Agora imaginem como é estar do outro lado com a cabecinha moldada como eles a têm alguém os contrariar é logo... kabum !!!!