São conhecidos planos de 3 países (China, EUA e Índia) para a construção de estruturas fornecedoras de energia a carvão. Até aqui nada de especial, mas e se vos disser que essas estruturas serão responsáveis pela emissão de dióxido de carbono para a atmosfera em quantidades até 5 vezes superiores às que o protocolo de Kyoto se propôs a reduzir?
De que serve assinar e ratificar o protocolo (no caso da China e Índia. Os EUA apenas assinaram mas não ratificam porque segundo a administração Bush isso causaria atrasos na economia americana) se depois se tomam medidas completamente opostas?
Será que notícias como esta que começam a surgir não servem para demonstrar que o planeta não está para suportar as birras de quem não percebe que se não têm planeta também não terão como ganhar dinheiro com ele?

Para que a coisa se torne fácil de perceber, aqui fica o gráfico relativo às emissões que estas indústrias a carvão produzirão:
Engraçado, não é?
Agora imaginem quando nos países onde o Boom demográfico começar a ter efeitos na compra de automóveis por parte da população… Imaginem quando 50% dos Chineses ou Indianos tiverem um carro.
Talvez esta previsão para 2100 se torne realidade bem mais cedo. Ou talvez, sendo bem mais fatalista, não exista 2100 para o ser humano. (É fatalista mas não, não é exagero. Basta tentar perceber as implicações do degelo das calotes polares e suas implicações na correntes marítimas e consequente alteração dos padrões climáticos para chegar à mesma conclusão.)

There are currently no comments.