coisas do caraças

No tempo da outra senhora é que era!

Como é que é possível não sorrir perante os resultados de ontem do concurso para o “maior português de sempre”?

Ficamos com a prova final de que 41% dos que gastam dinheiro em telefonemas para concursos de televisão em Portugal é salazarista/fascista.
É somar 1+1 e o resultado é um sorriso.

No entanto houve outros momentos de humor genuíno no programa, como o que a Leonor Pinhão protagonizou ao ler um texto salazarista. Podem clicar aqui e ver (ou rever).

10 thoughts on “No tempo da outra senhora é que era!”

  1. Discordo totalmente de que qualquer um deles tenha sido grande… (Um não o foi). Se partirmos do princípio de que devemos comparar as pessoas com os seus pares (músicos com músicos, políticos com políticos), Salazar foi dos mais fracos ditadores de sempre… Como dizia o Ricardo Araújo Pereira, o tipo está na 3ª Divisão Regional dos Ditadores!

    O que eu acho que o programa mostra é a falta de Cultura dos portugueses (os que criaram o programa e os que participaram de alguma forma…)! Nem do conceito de liderança as pessoas estão cientes… E toda esta falta de cultura e total iliteracia deriva do regime imposto pelo suposto maior português de sempre…

    Por último, o maior e pior legado salazarista foi a dependência quase doentia do nosso povo de um poder/estado castrador e controlador (Historicamente – somos país desde 1139 e entre a 1ª e 2ª República só tivemos cerca de meio século de democarcia…). Basta ver o quão confortáveis estão os portugueses com a gestão (a roçar o autoritário) do governo de Sócrates.
    Já repararam que somos das poucas democracias europeias que nunca teve um governo multipartidário (excepto o fatídico bloco central 83-85), constituído por aliança pós eleitoral? Quando os partidos vão a votos querem sempre maioria absoluta. Não sabem fazer política na base da negociação e só sabem trabalhar com o poder total! Absurdo!

  2. Para já, o programa foi um “aborto” da RTP, não vale nada e mostra mais uma vez a falta de originalidade dos portugueses, que vão buscar ao estrangeiro o que de pior (por vezes melhor também) há lá fora… sem nunca tentar a sorte de fazer algum programa por si próprios… (já com medo talvez, de ser ainda pior que os de fora).
    Depois, não se pode comparar um político a um músico, desportista ou o raio que o parta, tal como disse Mário Soares, que apesar da idade ainda está bem discreto.

    Outra coisa, mostra que os portugueses têm a noção de que o país está bem pior do que na época Salazarista e agora sim, dão valor a Salazar. Depois o “pódio”, que é super interessante, Salazar, seguido do maior opositor ao regime e Aristides, “seu” cônsul e que o desobedeceu.

    De qualquer forma, qualquer um deles foi “grande”… mas cada qual na sua área, só não acho justo o modo como o fizeram.

  3. Para já, o programa foi um “aborto” da RTP, não vale nada e mostra mais uma vez a falta de originalidade dos portugueses, que vão buscar ao estrangeiro o que de pior (por vezes melhor também) há lá fora… sem nunca tentar a sorte de fazer algum programa por si próprios… (já com medo talvez, de ser ainda pior que os de fora).
    Depois, não se pode comparar um político a um músico, desportista ou o raio que o parta, tal como disse Mário Soares, que apesar da idade ainda está bem discreto.

    Outra coisa, mostra que os portugueses têm a noção de que o país está bem pior do que na época Salazarista e agora sim, dão valor a Salazar. Depois o “pódio”, que é super interessante, Salazar, seguido do maior opositor ao regime e Aristides, “seu” cônsul e que o desobedeceu.

    De qualquer forma, qualquer um deles foi “grande”… mas cada qual na sua área, só não acho justo o modo como o fizeram.

  4. Quando fala de bola ela consegue ser pior que o Miguel Sousa Tavares em fanatismo :D , mas temos que admitir que ontem teve piada quando leu aquele texto.
    Aquilo é o exemplo perfeito de como o trabalhador português era tratado no tempo do estado novo: abaixo de cão.
    Nisso dou valor à mulher, soube mostrar, com humor à mistura, a situação de maneira inequívoca.

  5. A única coisa que se viu nesse programa foi 200 ou 210mil capitalistas a gastar dinheiro no telemovel para votar no Salazar.
    Estavam á espera de quê??
    A verdade é que nós somos 11milhões e não 210mil.
    Eu não acredito em sondagens.

Deixe uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.