Como é que é possível não sorrir perante os resultados de ontem do concurso para o “maior português de sempre”?

Ficamos com a prova final de que 41% dos que gastam dinheiro em telefonemas para concursos de televisão em Portugal é salazarista/fascista.
É somar 1+1 e o resultado é um sorriso.

No entanto houve outros momentos de humor genuíno no programa, como o que a Leonor Pinhão protagonizou ao ler um texto salazarista. Podem clicar aqui e ver (ou rever).


Comments ( 10 )

  1. ReplyJaime Moura
    Realmente só dá vontade de rir!!! Para mim nem nos 100 primeiros estaria quanto mais em 1º!!!
  2. ReplyBarras
    Realmente...
    Com Camões, D.João II, Marques, etc. fica Salazar em 1º e Cunhal em 2º!?
    Proto...ok...
  3. ReplyMiguel Cabral
    A única coisa que se viu nesse programa foi 200 ou 210mil capitalistas a gastar dinheiro no telemovel para votar no Salazar.
    Estavam á espera de quê??
    A verdade é que nós somos 11milhões e não 210mil.
    Eu não acredito em sondagens.
  4. ReplyLampada Azul
    A Leonor Pinhão é um cromo autêntico, basta lêr as cronicas que escreve semanalmente no jornal A Bola,completamente disparatadas,irrialistas,é incrivel como se dá tempo de antena a uma figura destas!!
  5. ReplyPaulo Costa
    Quando fala de bola ela consegue ser pior que o Miguel Sousa Tavares em fanatismo :D , mas temos que admitir que ontem teve piada quando leu aquele texto.
    Aquilo é o exemplo perfeito de como o trabalhador português era tratado no tempo do estado novo: abaixo de cão.
    Nisso dou valor à mulher, soube mostrar, com humor à mistura, a situação de maneira inequívoca.
  6. ReplyLampada Azul
    Sim, aqui admito que teve a sua piada. Valha-nos isto!
  7. ReplyNuno M.
    Para já, o programa foi um "aborto" da RTP, não vale nada e mostra mais uma vez a falta de originalidade dos portugueses, que vão buscar ao estrangeiro o que de pior (por vezes melhor também) há lá fora... sem nunca tentar a sorte de fazer algum programa por si próprios... (já com medo talvez, de ser ainda pior que os de fora).
    Depois, não se pode comparar um político a um músico, desportista ou o raio que o parta, tal como disse Mário Soares, que apesar da idade ainda está bem discreto.

    Outra coisa, mostra que os portugueses têm a noção de que o país está bem pior do que na época Salazarista e agora sim, dão valor a Salazar. Depois o "pódio", que é super interessante, Salazar, seguido do maior opositor ao regime e Aristides, "seu" cônsul e que o desobedeceu.

    De qualquer forma, qualquer um deles foi "grande"... mas cada qual na sua área, só não acho justo o modo como o fizeram.
  8. ReplyNuno M.
    Para já, o programa foi um "aborto" da RTP, não vale nada e mostra mais uma vez a falta de originalidade dos portugueses, que vão buscar ao estrangeiro o que de pior (por vezes melhor também) há lá fora... sem nunca tentar a sorte de fazer algum programa por si próprios... (já com medo talvez, de ser ainda pior que os de fora).
    Depois, não se pode comparar um político a um músico, desportista ou o raio que o parta, tal como disse Mário Soares, que apesar da idade ainda está bem discreto.

    Outra coisa, mostra que os portugueses têm a noção de que o país está bem pior do que na época Salazarista e agora sim, dão valor a Salazar. Depois o "pódio", que é super interessante, Salazar, seguido do maior opositor ao regime e Aristides, "seu" cônsul e que o desobedeceu.

    De qualquer forma, qualquer um deles foi "grande"... mas cada qual na sua área, só não acho justo o modo como o fizeram.
  9. Replyhugo de sousa lopes
    Discordo totalmente de que qualquer um deles tenha sido grande... (Um não o foi). Se partirmos do princípio de que devemos comparar as pessoas com os seus pares (músicos com músicos, políticos com políticos), Salazar foi dos mais fracos ditadores de sempre... Como dizia o Ricardo Araújo Pereira, o tipo está na 3ª Divisão Regional dos Ditadores!

    O que eu acho que o programa mostra é a falta de Cultura dos portugueses (os que criaram o programa e os que participaram de alguma forma...)! Nem do conceito de liderança as pessoas estão cientes... E toda esta falta de cultura e total iliteracia deriva do regime imposto pelo suposto maior português de sempre...

    Por último, o maior e pior legado salazarista foi a dependência quase doentia do nosso povo de um poder/estado castrador e controlador (Historicamente - somos país desde 1139 e entre a 1ª e 2ª República só tivemos cerca de meio século de democarcia…). Basta ver o quão confortáveis estão os portugueses com a gestão (a roçar o autoritário) do governo de Sócrates.
    Já repararam que somos das poucas democracias europeias que nunca teve um governo multipartidário (excepto o fatídico bloco central 83-85), constituído por aliança pós eleitoral? Quando os partidos vão a votos querem sempre maioria absoluta. Não sabem fazer política na base da negociação e só sabem trabalhar com o poder total! Absurdo!
  10. ReplyJC Barros
    Onde é que andará aquele pessoal que costumava chamar burguês e outras coisas que mais ao Paulo?