coisas do caraças
1 Comment

Destreinamento

Imaginem uma equipa de futebol. Existem 23 jogadores no plantel e mais uma equipa técnica com 5 ou 6 treinadores.
Passam a pré-época a treinar lances de bola parada bem desenhados.

Treinam, treinam e treinam.

Fazem alguns jogos de treino e percebem que podem melhorar algumas coisas… alguns movimentos, algumas desmarcações, reduzem o número de possibilidades de erro nas jogadas.

A uma semana do início de época estão todos a executar o plano da equipa técnica quase na perfeição, os golos surgem com naturalidade e entusiasmados, os jogadores mesmo com o cansaço de toda a pré-época nas pernas, fazem treinos extra para aperfeiçoar o que lhes foi pedido.

Na véspera do primeiro jogo a sério da época a equipa técnica comunica aos jogadores:

Amanhã vamos tentar uma coisa completamente diferente. Têm que esquecer o que treinaram e mudar completamente o esquema das jogadas. E exige-se pelo menos um golo de bola parada.

Que conclusões é que os jogadores conseguem tirar, e que resultados podem esperar?

inutilidades/música/Modernices
4 Comments

TvShop remix

Só tenho um artista na lista de subscriptions do Youtube. Sempre que um tal de Steve Porter coloca um vídeo novo eu recebo no mail o aviso e vou direitinho ao link indicado para me rir mais uns minutos.

Já alguma vez viram remixes de anúncios da TV Shop? O Steve Porter faz uma catrafada deles e já não passa despercebido e já foi entrevistado por algumas cadeias de televisão. A última novidade que recebi no email foi uma versão de um dos seus primeiros trabalhos “Shamwow Jam” editada para TV. Não sei onde é que passa ou vai passar, mas ficam aqui com as minhas duas pérolas preferidas: Slap Chop Rap e a de que já falei mais atrás, a Shamwow Jam.

coisas do caraças/inutilidades
2 Comments

A EMoral…

Quando for grande quero ter um autocolante da EMEL no carro, que é para poder estacionar assim a carrinha enquanto ando a passar multas a quem “não está bem estacionado”.

Como se pode ver era completamente impossível estacionar normalmente. Não, o senhor da EMEL não conseguia estacionar em paralelo com o passeio tal como todos os outros. Não, o senhor da EMEL fez questão de obstruir o passeio, ligar os quatro piscas e ir inspeccionar a rua toda, estacionamento por estacionamento para poder multar quem estava indevidamente a ocupar o espaço de outros (como os spots publicitários da EMEL nas rádios fazem questão de apregoar).

Quando é que estes gajos são corridos à pedrada?

coisas do caraças/Modernices
7 Comments

The King is dead. Long live the King!

O delírio das massas anti-pirata, dos defensores do bom nome e bons costumes da utilização “racional” da internet, durou hoje cerca de hora e meia.lol1

Por volta do meio dia surgiram notícias em tudo quanto era meio noticioso online do fecho forçado do Pirate Bay.

Por volta das duas da tarde aquilo que se via no site do Pirate Bay era isto:

lol2

É de ler o que diz a t-shirt.

Uma mudança de servidor (e de país de alojamento do mesmo) foi o suficiente para contornar a situação e ter um downtime de menos de duas horas (e por culpa de umas ligações não testadas).

Derrota atrás de derrota as associações do estila MPAA e afins parecem não conseguir perceber a mensagem. Parecem também não conseguir perceber que estes sites não alojam os ficheiros, apenas os “indexam”, ou seja, indicam aos utilizadores que outros utilizadores têm disponível para partilha o que se pretende ver/ouvir/ler/jogar.

E enquanto pedirem 20€ por um CD de música, 20€ por um livro, 60€ por um jogo, com 90% (ou em alguns casos, mais ainda)  da margem de lucro a ir direitinho para os bolsos das editoras e distribuidoras em vez de ir para os artistas, então meus senhores, bem que podem esperar sentados pelo fim da pirataria.

Na cena musical já começa a haver alguma consciencialização do caminho a seguir: algumas bandas começam a optar por disponibilizar os seus CDs online, à borla, simplesmente com a possibilidade de o ouvinte doar o que entende que o àlbum vale. Foi assim que os Radiohead fizeram com o seu último disco e conseguiram seu maior lucro desde a formação da banda.

Uns são inteligentes, outros teimam em ser parvos.

coisas do caraças/jornalismo
4 Comments

Anonimato público

Esta notícia do JN deixa-me um bocado confuso.

Screenshot

Então o homem pede anonimato ao JN e o jornal publica o nome, idade, localidade de residência, marca e modelo do carro, conteúdo da mesinha de cabeceira e idade do filho? A meu ver este tipo de interpretação do termo anonimato está incompleto por parte do jornalista e da redacção: faltam ainda o registo criminal, resultados das análises sanguíneas, ficha dentária e código do Visa.

coisas do caraças/Politiquices
1 Comment

Olé!

Não sei com o que é que me rio mais: com o circo das eleições do Benfica ou com o circo da Assembleia da República que contratou o Manelito de Portugal para ser toureado pela oposição para divertimento das bancadas parlamentares.

Olé

Imagem retirada do Expresso

Segundo A Bola conseguiu apurar já existem negociações com Pedrito de Portugal para um contrato de 4 anos. A Assembleia da República está disposta a oferecer um salário de 450 mil euros mensais de forma a conter as erupções de Manuel Pinho.

O Grupo de Forcados Amadores de Cascais também que já tinha sido contactado pelo PSD com vista à contratação do seu rabejador de forma a reforçar o plantel da comitiva da candidatura de Santana Lopes à Câmara de Lisboa, confirmou à CMVM o início de negociações relâmpago com o PS com vista à transferência do seu forcado.

Entretanto já foi confirmada a realização do próximo conselho de ministros na Praça de Touros Monumental em Barcelona,  medida que segundo Pinho servirá de divulgação da cultura nacional.

coisas do caraças
13 Comments

Também posso ter opinião sobre o Irão ou tenho que ir com a moda?

Correndo seriamente o risco de ser mal interpretado, custa-me ver toda esta onda de revolta anti-Ahmedinejad transformada em pouco mais do que uma moda.
Todo o apoio incondicional a Musavi, o novo Obama do médio oriente, deve-se especificamente a quê?
Também partilho da ideia de que Ahmedinejad é -nas sábias palavras citadas pelo Marco no Bitaites– um filho da puta, mas a onda mundial de apoio a Musavi garante que este também não o seja?

Bem mais do que isso, o que me realmente me chateia nisto tudo é que temos diariamente uma enxurrada de notícias acerca da fraude eleitoral que ocorreu há pouco mais de uma semana, mas não vi uma, uma única notícia, que explicite como e onde decorreu essa fraude. Fala-se e escreve-se diariamente da manipulação eleitoral mas ainda ninguém me foi capaz de dizer como e onde foi feita. E atenção: não digo que não tenha existido. Aliás, pouco ou nada me surpreenderia, mas daí a ter-se criado este novo mito ocidental que o Musavi é o pobre coitadinho lá da zona e que ajuda muito o povo do Irão ter a foto a verde no Twitter*, eh pá, não me lixem.

É claro que as imagens da morte de Neda, a mulher Iraniana baleada, me chocam tanto como a qualquer outra pessoa. É uma imagem que não pode deixar ninguém indiferente. Agora vão fazer dela o símbolo da revolução. Vão-se seguir as t-shirts, os posters, os grafitis. E tudo sem conhecer verdadeiramente as convicções e crenças da mulher. Mas isso não interessa para nada, porque o Musavi é que é, o Ahmedinejad é que é o inimigo público número 1, assim como o era Bush que se tivesse matado uma mosca em frente às câmaras seria gozado incessantemente por todo o mundo, mas como foi o porreiraço do Obama não há crise e só mostra como o tipo é um gajo à maneira.

Assim como me lembro do muito que já li acerca do El Mercúrio no final dos anos 60 e início dos anos 70, dos muitos milhões que foram injectados por Kissinger e companhia na comunicação social chilena para minar (literalmente) uma parte da população contra Allende, assim como me lembro das palavras de Colin Powell quando se referiu à forma de os EUA usarem hoje formas diferentes de manipulação política e social (e que se aplica ao resto dos países ocidentais com interesses em determinadas zonas do globo), é também assim que me abstenho de pertencer à população indignada que twitta e bloga contra a re-eleição do Ahmedinejad sem tentar pelo menos perceber o que raio se passa realmente naquela zona.

*A propósito desta moda do twitter a qual recentemente decidi experimentar para tentar perceber o porquê de tamanho sucesso, acho piada aos movimentos que lá se criam. Quais mails correntes qual quê, o que interessa agora é fazer parte de correntes twitter, essa mágica ferramenta capaz de mudar o mundo. E se queres realmente mudar qualquer coisa, então muda a foto que lá tens para uma em tons todos verdes para demonstrares o quão importante o Irão é para ti. Ah, e como ironizou o José de Pina (cá está um twitter que vale a pena seguir): “Não esquecer de fazer unfollow do Khamenei. Esse é que vai ser o fim dele“.